Seu condomínio subiu muito? Tem explicação!

Já há alguns anos o condomínio vem subindo mais que a inflação na cidade de São Paulo e em todo o país. Mais que a inflação, mais que o aluguel. Mas o que explica isso?

Na verdade o condomínio é o serviço que você paga para ter segurança, limpeza, manutenção e conservação da áreas comuns; para ter funcionários cuidando da segurança e da limpeza, para ter água e energia elétrica nas áreas comuns; para fazer um fundo com o objetivo de manter o condomínio cuidado e por consequência sua casa, escritório ou apartamento valorizado.

E todas as coisas, tiveram aumentos superiores à inflação nos últimos anos. Para se ter uma ideia só o reajuste das concessionárias neste ano foi muito superior à inflação. Em São Paulo a energia subiu 15% e água e esgoto, 8%. Estas despesas representam, de 20% a 30% o valor do condomínio. O maior impacto é sem dúvida com a folha de pagamento dos funcionários. Ela representa de 50% a 60% de tudo que você paga quando paga condomínio, no último ano o dissídio aprovado para a categoria de funcionários de condomínios em São Paulo foi de 9,5%.

A inflação  não chegou a 5% no acumulado de 12 meses até julho/2018. A comparação do aluguel, apesar de ambas despesas fazerem parte do grupo de custo com moradia, não faz sentido. Os alugueis são regidos por dois indicadores básicos oferta X demanda e o IGP-M. E ambos estão muito favoráveis a inquilinos pressionando os preços para baixo (até fevereiro o IGP-M acumulado dos últimos 12 meses estava negativo e só mostra sinais de equiparação com a inflação nos últimos 2 ou 3 meses.

Nesse cenário não há mágica.  O valor do condomínio acompanha todos os serviços que ele carrega. Claro que existem saídas para procurar manter o orçamento o mais equilibrado possível. Entender se os contratos estão dentro dos valores médios praticados pelo mercado, ter uma gestão eficaz no combate à inadimplência, fazer campanhas para economia de água e energia  procurar alternativas que otimizem estes consumos, ter uma folha de pagamento adequada e enxuta sem muitas horas extras, avaliar os benefícios da portaria virtual. O que não vale é a economia pela economia.

Deixar de aumentar o condomínio e usar a poupança para despesas do dia a dia; não fazer as reformas aprovadas;  trocar fornecedores bons por outros menos qualificados… Estas decisões de curto prazo e sem planejamento têm um único prejudicado: o condômino, ou seja, você. Que com o tempo verá seu imóvel desatualizado e desvalorizado. O condomínio subiu mesmo e isso não é uma notícia das melhores, mas talvez seja mais preocupante morar em um condomínio que não tem reajustes há 2, 3 ou 4 anos. A  melhor saída é participar das decisões, propor uma gestão colaborativa e compartilhada e entender que otimizar as despesas é uma tarefa que precisa ser feita com cuidado e responsabilidade.

Fonte: www.estadao.com.br

Publicações Relacionadas

ESG não é checklist, mas sim questão de sobrevivência para as empresas Especialistas que participaram de evento dia 24/11, no Secovi-SP, deixaram vários recados sobre a importância de as corporações desenvolverem agenda...
Condomínios vivem ‘segunda onda’ de litígios com prolongamento da pandemia Recrudescimento da covid fez crescer as disputas entre vizinhos, que vinham caindo no fim de 2020; para especialistas, condôminos já...
Publicado novo cronograma do eSocial Optantes pelo Simples Nacional e empregadores pessoa física enviarão suas tabelas em janeiro/2019 O Comitê Diretivo do eSocial publicou a Resolução...

Quer receber todas as novidades da MB7?

Assine nossa news e receba diretamente no seu email.




Deixar um Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.