As principais ações para adequação de condomínio à LGPD

Autor: Bárbara Prado

Embora o condomínio não se enquadre na definição do artigo 44 do código civil, como detentor de personalidade jurídica – se ajusta, todavia, na definição do artigo 3º da LGPD, enquanto pessoa jurídica de direito privado, visto que o Enunciado nº 246 da III Jornada de Direito Civil do CJF dispõe: “Deve ser reconhecida personalidade jurídica ao condomínio edilício”.

Assim, é de extrema importância que os condomínios adotem ações que visam o cumprimento desta legislação, tais como:

1) NOMEAÇÃO DE ENCARREGADO: estabelecer quem será a pessoa indicada que atuará como canal de comunicação entre o controlador, os titulares dos dados e a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD). O síndico, zelador, gestor predial ou consultoria especializada são exemplos de entes que podem assumir este papel;

2) CRIAÇÃO DO COMITE DE PRIVACIDADE: Criar um comitê interno de privacidade que irá atuar como instrumento facilitador da promoção de uma cultura de proteção aos dados pessoais dentro do condomínio;

3) MAPEAMENTO DE DADOS PESSOAIS: listar as operações de tratamentos de dados pessoais, as bases legais que autorizam os seus usos, as suas finalidades, o tempo de retenção, as práticas de segurança de informação implementadas no armazenamento e com quem os dados podem ser eventualmente compartilhados;

4) DIAGNOSTICO DE RISCOS: identificar quais são riscos possíveis envolvendo dados pessoais;

5) PLANO DE AÇÃO: Elaborar medidas de boas práticas e de governança para sanar os riscos encontrados e propiciar a proteção dos dados dos titulares;

6) TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO: treinar os colaboradores, pois as ameaças de segurança não ocorrem apenas por causa de fatores externos. Grande parte dos incidentes são causados por falhas humanas. Assim, o treinamento contínuo de todos os colaboradores do Condomínio e a conscientização dos condôminos são fundamentais para o sucesso no processo de adequação à LGPD.

Ademais, vale ressaltar que a adequação à LGPD demanda diversas competências como: conhecimento jurídico da legislação, de desenvolvimento de processos, governança, segurança da informação, tecnologias e outros.

O processo de adequação à LGPD não costuma ser uma tarefa simples, por isso, no intuito de evitar problemas e adotar um plano consistente de adequação à lei, é recomendado que síndicos contem com a ajuda de uma consultoria especializada em LGPD, pois, somente com o cumprimento destas ações será possível dizer que um condomínio está adequado à Lei Geral de Proteção de Dados.

Bárbara Prado, consultora em privacidade e proteção de dados da Mais 1 Digital – Consultoria e Treinamentos.
Fonte

Publicações Relacionadas

Prazo para empresas entregarem a Rais 2017 termina no dia 23 de março O prazo para as empresas entregarem a Relação Anual de Informações Sociais de 2017 (Rais) ao Ministério do Trabalho e...
beneficios da auditoria para associações residenciais
Os benefícios da auditoria para as associações residenciais Associações residenciais não são condomínios. Perguntamos ao Marcos Braga, o proprietário da MB7 Auditoria que é contador formado pela Universidade...
Qual é, afinal, o papel do Síndico? Percebo que muitos moradores não tem clareza sobre o papel do Síndico e, também, não é incomum o próprio não...

Quer receber todas as novidades da MB7?

Assine nossa news e receba diretamente no seu email.




Deixar um Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.