A má gestão do condomínio pode desvalorizar o seu imóvel

Em Joinville, Santa Catarina, a gestão do síndico causou um prejuízo de R$ 700 mil a um condomínio que praticamente “quebrou”.

O síndico de um condomínio de São Paulo, que para reduzir o valor da taxa condominial, contratou uma cooperativa para gerir a mão de obra em substituição aos funcionários contratados pelo prédio. Para ele essa alteração seria um grande negócio para o condomínio. A economia inicial saiu cara, pois quando os primeiros cooperados saíram do prédio as ações trabalhistas começaram a surgir. E o resultado negativo foi imediato, pois o valor do condomínio triplicou. O síndico renunciou, porém, o prédio não se livrou da dívida.

Em outro condomínio de poucas unidades, na região dos Jardins, em São Paulo, o síndico preferiu trocar a empresa de manutenção de elevadores por outra que cobrava três vezes menos. Porém, o contrato da segunda empresa era só de conservação. O síndico não sabia a diferença de uma para outra. O contrato de manutenção de elevadores inclui peças, enquanto o de conservação não. No final da história, com a quebra de algumas peças,  o contrato de conservação ao longo de alguns meses saiu duas vezes mais caro do que o de manutenção.

Os exemplos acima mostram como a má gestão do síndico pode acarretar sérios prejuízos aos moradores de um condomínio. Segundo Rodrigo Karpat, advogado imobiliário e sócio do escritório Karpat Sociedade de Advogados, a má gestão condominial pode levar à desvalorização de até 30% do imóvel. De acordo com ele, a desvalorização ocorre por conta da falta de manutenção, valores elevados da taxa condominial, dívidas trabalhistas, entre outros.

O blog SocialCondo lista os 5 maiores erros de um síndico, são eles: Falta de Organização Financeira; Desconhecimento das leis/normas de condomínio; Má comunicação; Ausência do Síndico e Falta de manutenção regular.

Eu incluo nessa lista a falta de um Planejamento de Gestão no início de cada ano com os principais objetivos a serem alcançados no período e como serão custeados. Após a aprovação da Assembleia, o síndico tem um mapa para seguir e os moradores não serão pegos de surpresa sobre a atuação dele. Há um ditado popular que diz “O combinado não sai caro”.

O principal responsável pela gestão do condomínio é o síndico e para se fazer uma boa gestão não basta apenas boa vontade, há necessidade de habilidade, conhecimento, transparência e resultados consistentes. Vale lembrar que o síndico responde civil e criminalmente por excesso e negligências na sua gestão.

Considere a possibilidade de profissionalizar a gestão do seu condomínio através da contratação de um Síndico Profissional. Para mais informações, fique à vontade para me contatar.

Um grande abraço!

Marcos Braga

Publicações Relacionadas

Nova legislação do trabalho entra em debate nos prédios São muitas as mudanças na legislação e elas ainda não foram assimiladas pelo setor, aponta especialista As primeiras assembleias-gerais deste...
eSocial começa a receber informações do 2º grupo de empregadores no dia 16 de julho A segunda etapa da implantação do eSocial, quando o programa se torna obrigatório para todas as empresas privadas do país...
Associação Residencial x Condomínio Saiba quais são as diferenças e as semelhanças entre a associação residencial e o condomínio Este material foi feito para...

Quer receber todas as novidades da MB7?

Assine nossa news e receba diretamente no seu email.




Deixar um Comentário